A Saída

Por Jeff Carlson
Traduzido por Mauricio R B Campos

Cover for Drabblecast episode 72, Exit, by T.A. Holly McCreaHaviam ratos no suflê de novo. Bem grandes, desta vez. Stevens não estava sendo sútil agora. Tudo bem. Esses bebês eram impossíveis de errar, diferente do pequeno de garras afiadas no jantar da última noite.
Noite passada eu disse ao Dr. Hallwag que ele tinha vinte e quatro horas. O NORAD se recusou a dar-nos mais tempo.
Nós tínhamos menos de cento e oito minutos agora, com nada à fazer exceto preencher nossas barrigas negligenciadas. Meu esquadrão e eu tínhamos sido músculo e segurança para a equipe de funcionários científica deste complexo; minhas ordens eram específicas; o que sobrou do equipamento se foi e os músculos ficaram no lugar, a segurança era apenas uma piada rude.
Eu cutuquei junto a uma cauda semelhante a couro no meio do meu prato (Stevens não estava sendo sútil; ele estava esculpindo) e suprimi um exaustivo riso. Má ideia para começar. Eu não deveria parar.
Ao meu lado na mesa da cafeteria, a Cabo Watters abaixou seu garfo com um repentino e preciso movimento.
Bom, eu pensei, ela os viu também.
"Tenente," ela disse, "Stevens obviamente fez isso ou ele deveria ter parado com essa merda. Eu espero que ele… pelo menos faça algum tipo de declaração."
"É o seu turno."
Watters balançou sua cabeça. "Eu cuidarei de Riggs."
"Mas não de Carrington e Rudowski. Eu estou um à frente."
Ela me olhou, as sobrancelhas franzidas, examinou seu prato, a seguir levantou-se e dirigiu-se à passos largos para a cozinha.
"Me arrume um sanduíche, já que está aí," eu disse.
Watters deveria estar mais ferida na coxa do que eu pensava. O primeiro tiro dela foi ruim. Eu ouvi Stevens gritar antes dela atirar nele novamente.


O vírus —quando aperfeiçoado— pretendia se tornar um meio clemente de conduzir à Guerra, como pulverizar as terras dos inimigos com uma incapacitante forma de LSD e depois simplesmente caminhar para dentro. Quando as febres e alucinações passassem, suas tropas e lideranças se encontrariam incondicionalmente rendidos. Sem derramamento de sangue.
Nós nunca saberemos qual cientista liberou as proto-formas do vírus, nem teremos certeza se foi um acidente. Importa? Eu assisti as fitas anteriores das câmeras de segurança enquanto as transmitia ao NORAD, mas não encontrei nada definitivo. O Bloco C estava fechado agora, selado no momento em que os tubos aspiradores detectaram o vazamento. E meus recursos eram muito limitados para correr atrás de pistas que podem não existir.
A situação tinha sido má desde o começo. A maioria das pessoas capazes de resolver o problema, e a maioria de nossos suprimentos, foram perdidos no caos que seguiu antes que o bloco C caísse, silencioso para sempre. A equipe de funcionários que ficou presa atrás das portas  automáticas tornaram-se violentamente insanas enquanto os proto-vírus fizeram seus medos subconscientes tão reais a eles quanto sua pele.
Nos dois últimos dias, a maior parte de meu pequeno esquadrão igualmente sucumbiu.  Trajes Hazmat não ofereciam nenhuma proteção. Um proto-vírus se espalhou muito mais rápido do que qualquer um poderia supor e agora estava incubado dentro de todos nós. Não havia nenhuma saída, nenhuma salvação, a menos que o Dr. Hallwag providenciasse um milagre.
Mesmo então, o NORAD poderia incinerar-nos com uma baby nuke (uma pequena bomba nuclear) da mesma maneira. Como poderiam ter certeza que nós não estivéssemos fingindo que não fomos infectados, num momento de desespero?
Três vidas significariam pouco, pesando as possibilidades de liberar o vírus em cima do povo americano -- e do mundo.


Hallwag não olhou acima de seu microscópio quando eu pisei em seu laboratório improvisado, comendo um peru no pão branco. Não era muito para uma última refeição, mas pelo menos não era um rato. Eu verifiquei quatro vezes.
Pareceu tão asseado quanto nunca, mesmo vestindo um laço vermelho sob seu jaleco como uma flor na base de seu pescoço.
"Doutor, você está com fome? Tome cinco minutos de folga. Talvez uma cochilada ajude."
Ele não respondeu. Um centrifugador girava no contador ao lado de uma cremalheira de amostras de tecido. Alguma dessa carne era minha. Eu friccionei na gaze envolvida em torno de meu antebraço.
"Doutor!" Eu pulverizei migalhas. Ele inclinou-se para trás do microscópio e eu vi que sua cara era uma máscara pálida. Sua roupa não era muito limpa. "Almoço?" Eu perguntei, mas ele balançou sua cabeça e retornou ao microscópio.


Faltava menos de uma hora, o alarme que eu programei na saída tocou. Watters e eu levantamos nossos braços e corremos.
Hallwag gritou enquanto nós corríamos desabaladamente para ele. Quem sabe o que viu, quem ou o que nós éramos aos seus olhos. "Nenhuma possibilidade!" ele urrou. "Nenhuma possibilidade!"
Watters disparou nele friamente.
Hallwag tinha programado para abrir três das fechaduras dos grossos portões. Mais um código-chave correto e o elevador obteria potência para subir. As portas abertas. Como ele conseguiu decifrar meus códigos eu não era capaz de dizer. Talvez ele fosse apenas muito mais esperto do que eu. Watters e eu estudamos a porta fechada por muito tempo. Eu poderia alcançar o teclado lá fora. Mas o vírus sairia conosco.
Ela disse, "Que tal desertar, tenente? Meu convite."
Nós andamos de volta para o complexo.


 


 

Saída foi publicada originalmente na revista Ultraverse #1, em novembro de 2003.
Foi republicada em MosCon XVI guidebook.
Transmitida via podcasts por Drabblecast e Beam Me Up.
Republicada em hebraico em Mercury #6; em grego em Ennea #404; e em língua portuguesa e esperanto na Antologia Lusíadas por Maurício Robe Barbosa Campos; em estoniano na revista Algernon.
Também foi republicada em inglês na Apex Magazine.

 

Vitrine de Livraria em MadriJeff G. Carlson (nascido em 20 julho de 1969) é um escritor americano de ficção científica e policial, tendo trabalhado tanto nos formatos conto quanto romance.
Seu pai trabalhava no Laboratório Nacional Lawrence Livermore, Carlson nasceu em Sunnyvale, Califórnia, e desde então morou em várias cidades acima e abaixo da costa da Califórnia. No começo de 1990, ele morou por um tempo no Arizona, Colorado e em Idaho antes de retornar à sua nativa Califórnia em 1997. Ele agora mora com sua esposa Diana e seus filhos perto de São Francisco.
Jeff Carlson nasceu no dia em que o homem pisou na Lua, poderia ter se chamado Apolo, Armstrong, ou Foguete. Seu pai trabalhava para a NASA-Ames nessa época, e seu avô por parte de mãe era um grande fã de ficção-científica, cuja biblioteca incluía cópias autografadas da trilogia Fundação de Isaac Asimov.
Primeiramente conhecido por seus contos, Carlson atualmente já escreveu três romances. Seu primeiro romance Plague Year (ainda sem título no Brasil ou em Portugal) é um thriller que conta a história de um contágio mundial por uma nanotecnologia que devorou toda forma de vida abaixo de 10.000 pés de altitude (3.000 metros aproximadamente), e aqueles que tentaram sobreviver à essa hecatombe. Posteriormente publicou suas duas sequencias, Plague War, e Plague Zone (sem títulos em português). Os direitos de publicação fora dos Estados Unidos foram vendidos na Alemanha, Romênia, República Tcheca e Espanha, onde a Editora Minotauro está distribuindo também para a América Latina. O segundo romance, Plague War, foi finalista de 2008, no Prêmio Philip K. Dick Award de melhor romance norte-americano. Jeff está colaborando com David Brin em uma nova série de aventura chamada Colony High, sendo que a primeira parte dela foi serializada no Japão por Hayakawa's SF Magazine. Ele também escreveu um pequeno romance ganhador de diversos prêmios, The Frozen Sky, uma aventura que se passa num futuro não muito distante, no qual a humanidade tem que lidar com a surpreendente descoberta de uma espécie anfíbia inteligente nos oceanos abaixo da superfície congelada da sexta lua de Júpiter, Europa.
Seus outros contos e trabalhos de não-ficção incluem vendas para Asimov’s Science Fiction, Boys’ Life, e a antologia Fast Forward 2, bem como várias reimpressões publicadas ou no prelo para República Tcheca, Estônia, Grécia, Alemanha, Israel, Romênia, Espanha e Turquia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O poder de um sonho

Participante 2

Steampunk - Contos do Mundo do Vapor