Pular para o conteúdo principal

V de Revolução

Manifestantes com a máscara de Guido Fawkes

1990. Uma nova era de ouro para os quadrinhos, as graphic novels reinavam absolutas, com títulos que revolucionariam a cultura ocidental: Watchmen, Sandman, O Cavaleiro das Trevas e V de Vingança. Graças à um amigo que tinha condições de comprar esses álbuns com preços proibitivos para mim, eu pude ter acesso à todos os grandes títulos lançados no Brasil na época. E V de Vingança mexeu com meu coração adolescente.
Para quem já era fã do punk rock e do seu caráter contestatório, aquilo foi uma bomba. O povo não deveria temer o seu governo, mas o governo deveria temer o seu povo. E assim tudo se iniciava com a explosão do parlamento inglês, retomando a mítica figura de Guy Fawkes. Guy Fawkes? Então eu ia até a biblioteca para descobrir quem era esse cara (não havia a Wikipédia, muito menos internet, pessoal, tempos jurássicos). Então a britânica dizia que Guy Fawkes foi um cara que nasceu em Iorque, em 13 de abril de 1570, também conhecido como Guido Fawkes, e tornou-se um revolucionário. Foi um soldado inglês católico que teve participação na Conspiração da pólvora (Gunpowder Plot) na qual se pretendia assassinar o rei protestante Jaime I da Inglaterra e todos os membros do parlamento durante uma sessão em 1605, objetivando o início de um levante católico. Guy Fawkes era o responsável por guardar os barris de pólvora que seriam utilizados para explodir o Parlamento do Reino Unido durante a sessão.
Porém a conspiração foi desarmada e após o seu interrogatório e tortura, Guy Fawkes foi condenado a execução na forca por traição e tentativa de assassinato. Outros participantes da conspiração acabaram tendo o mesmo destino. Sua captura é celebrada até os dias atuais (na Inglaterra) no dia 5 de novembro, na "Noite das Fogueiras" (Bonfire Night).
Então toda aquela viagem do Alan Moore, o escritor, não saíra do nada, mas era parte de todo um processo de amalgama de ideias e ideais em um caleidoscópio revolucionário. Anarquia é ordem, dizia Proudhon, e uma revolução se faz com molotovs, bradava Bakunin, o revolucionário russo que com certeza serviu de inspiração para a criação da figura andrógina V.
E o que aconteceu comigo quando eu era um pré-adolescente, acontece hoje com essa massa que toma conta da paulista. O cinema deu três dimensões à V, e hoje a máscara de Fawkes estava na Turquia, na primavera árabe, no Egito, no Occupy Wall Street, nos grupos de direito à informação, etc. V de Vingança é uma hq que deveria ter sido proibida, pois é um molotov para as consciências. Os regimes e os governos deveriam tê-la banido. A China proibiu a exibição do filme por um tempo, até se dar conta do absurdo que nada mais pode ser censurado na era da informação.
O filme produzido pelos irmãos Wachowski tem um final diferente do quadrinho. O final do quadrinho, ou poderia dizer, no final original, após a morte de V, Evey assume a persona de V e continua seu legado. V morre de modo dramático. Após completar sua vingança, ele sai como se não fosse um ser humano, como se não estivesse prestes a expirar. Você pode matar um homem, mas você não pode matar um ideal.
Essa é a frase chave do romance gráfico, e é a frase que marcou as manifestações da semana passada, quando um jovem se aproximou da tropa de choque paulistana com uma flor nas mãos. E aqueles homens da tropa de choque, nervosos, treinados para o ataque e a selvageria, ficam sem ação. Os fotógrafos têm o seu momento de glória. Mas em meio à multidão que grita palavras de ordem, onde muitos vestem a máscara de Guy Fawkes, o que impulsiona aquele jovem em direção à Choque, apesar do perigo, apesar de sua própria vida, tudo surgiu da máxima trazida a nós por Alan Moore: 

Você pode matar um homem, mas não pode matar um ideal.

Maurício R B Campos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - Sonhos Lúcidos

O livro Sonhos Lúcidos foi lançado no dia 19 de outubro de 2013, durante o Evento Livros em Pauta, na Universidade Estácio, campus Jabaquara. A antologia de contos fantásticos da Andross Editora contou com a participação de Chico Anes, autor de O Sonho de Eva lançado pela editora Novo Conceito, e As Duas Vidas e Meia de Demian Liber (independente),  Laura Elizia Haubert, autora de Calisto, Sohuen e Ode a Nossas Vidas Infames, pela Novo Século, Suzy M. Hekamiah, autora de Código dos Mares: Os Contos do Tempo, pela Editora Literata, e O Pianista, além de dezenas de outros autores.



A antologia tem basicamente o intuito de divulgação de novos autores. Nesse escopo, há 13 autores que estreiam nas páginas desta coletânea da Andross Editora: Alice Rodrigues, Ana F. Cruchello, Antonio Martins Júnior, Carlos Moffatt, Caroline Evans, Garibaldi S. Júnior, Gui Moretti, Jony X, Kleberson Arcanjo, Marcelo Fernandes, Ricardo R. Gitti, Vivi Trichês, Vivian Pitança.



Apesar da temática da antologia, pou…

Links