quinta-feira, 6 de março de 2014

O Gondoleiro

Por Garreth D. Jones
Traduzido por Mauricio R B Campos

A proa negra de minha gôndola cortou suavemente através das calmas águas do canal. A elegante embarcação tem servido por muitos anos através dos canais aquíferos da cidade, pelas mãos guiadoras de meus antepassados.
O sol caía sobre a cidade ancestral, transformando a àgua numa tintura escarlate entre os elegantes edifícios de arenito. Eu respirei profundamente a brisa fresca da tarde.
Existiria aí fora um lugar mais lindo do que essa maravilhosa cidade de canais? Enquanto a embarcação deslizava para seu atracadouro eu me detive a admirar, satisfeito, o crepúsculo de Marte.




Nenhum comentário:

Postar um comentário