Pular para o conteúdo principal

O Noir está morto

Ilustração Noir
Nos anos 30 e 40 dois autores revolucionaram a literatura policial. Seus nomes: Dashiell Hammett e Raymond Chandler. Ambos desempenharam suas atividades em várias profissões, sendo que ambos foram detetives particulares em sua vida real. A literatura policial americana era tida por literatura de segunda classe, pois os livros eram baratos.
O detetive Philip Marlowe, de Chandler, transita por uma Califórnia cheia de glamour e sujeira, poluição e álcool, celebridades e violência. Marlowe resolve casos envolvendo atores e diretores de Hollywood, escritores e artistas. Ele é um detetive barato, sempre duro, mas com valores morais fortes como o ferro, os quais ele defende de maneira obtusa. Também presentes em sua trama a polícia corrupta e os gângsteres.
É próprio do ser humano a curiosidade, se você ler no jornal que Fulano morreu, pode até não conhecer a pessoa, mas ficará intrigado em saber como foi a morte, quem matou o Fulano, se o assassino foi pego, etc. Naquela época havia muito interesse pelas figuras de Hollywood e seus excêntricos figurões. Os elementos básicos do noir também eram muito chamativos: mulheres fatais, cenários de luxo, o detetive melancólico, o assassinato misterioso, em circunstâncias tão dúbias quanto o caráter das demais personagens da trama. Era uma excelente literatura de entretenimento, na medida certa para o trabalhador  ler na hora do almoço ou no transporte público. Por quê? Porque aquilo estava a quilômetros de sua realidade (seria mais apropriado dizer a milhas) longe de sua realidade, de seu cotidiano: mortes, assassinatos, glamour, femme fatale.
O inusitado de ler sobre a violência era justamente que essa violência não lhe era familiar. Ok? Quer dizer que não havia violência nos Estados Unidos nessa época? Havia, com certeza. Desde que Caim matou Abel nossas mãos estão sujas de sangue. Mas o que quero dizer é que o nível de violência daquele período não se compara ao nível atual de violência.
Essa semana no Brasil (para você que está lendo essa crônica agora, é indiferente qual semana seja, infelizmente o quadro não parece que vai mudar nos próximos meses [isso porque eu sou otimista]) quatro jovens, estudantes universitários, foram mortos antes de ser assaltados. Eles não reagiram, foram executados. Você leu certo, eles não reagiram ao assalto, foram executados. O noir era uma forma do público entrar em contato com uma violência que eles ouviam falar, mas que desconheciam os detalhes sórdidos. Lendo O Longo Adeus ou O Falcão Maltês, era uma forma de consultar os arquivos da polícia de Los Angeles. Era como olhar nos olhos da morte na segurança de seu sofá. Mas tudo isso já passou, as pessoas não se sentem seguras no sofá, olham para a fechadura da porta: será que eu me lembrei de passar as trancas? A morte está na soleira da porta, espreitando... Não temos mais interesse pela morte, o assassinato misterioso só nos lembra da torpeza da humanidade: o noir está morto.

Bandeira do Esperanto
Versão em Esperanto no Website La Nubo

 
 


Recomendados


Detetives S.A.
Detetives S.A.

O livro Morte em Boulogne sobre um mapa mundi
Morte em Boulogne

Uma imagem artística de Lisbeth Salander
Gêneros Literários: Dark Urban


            Publicidade

Banner Morte em Boulogne no Literatura Policial

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - Sonhos Lúcidos

O livro Sonhos Lúcidos foi lançado no dia 19 de outubro de 2013, durante o Evento Livros em Pauta , na Universidade Estácio, campus Jabaquara. A antologia de contos fantásticos da Andross Editora contou com a participação de Chico Anes , autor de O Sonho de Eva lançado pela editora Novo Conceito , e As Duas Vidas e Meia de Demian Liber (independente), Laura Elizia Haubert , autora de Calisto , Sohuen editados pela Novo Século ,   Ode a Nossas Vidas Infames , pela Multifoco, Sempre o Mesmo Céu, Sempre o Mesmo Azul , pela Editora Patuá; Suzy M. Hekamiah , autora de Código dos Mares : Os Contos do Tempo , pela Editora Literata , e O Pianista , Espectra ; além de dezenas de outros autores. A antologia tem basicamente o intuito de divulgação de novos autores. Nesse escopo, há 13 autores que estreiam nas páginas desta coletânea da Andross Editora : Alice Rodrigues, Ana F. Cruchello, Antonio Martins Júnior, Carlos Moffatt , autor de Operação Black Hole e Cobaias de Lázaro ,

III Livros em Pauta

Dia 19 de outubro de 2013 foi o lançamento da antologia "Sonhos Lúcidos", durante a programação do 3º Livros em Pauta. A terceira edição do evento foi no campus Jabaquara da Estácio Uni-Radial . A antologia de contos fantásticos da Andross Editora contou com a participação de Chico Anes, autor de O Sonho de Eva , Suzy M Hekamiah , autora de Código dos Mares: Os Contos do Tempo , além de dezenas de outros autores. Durante o evento ocorreram palestras sobre direitos autorais, crítica literária, marketing do livro, agenciamento literário, crowdfunding , divulgação, lançamentos... Estas e outras etapas da produção editorial foram apresentadas e debatidas na terceira edição do Livros em Pauta – Encontro de Leitores com Escritores e Outros Profissionais do Livro. Fotos do Evento Participei da Antologia com o conto O Cavaleiro Cinza , um conto apocalíptico que reúne em um mesmo texto diversas teorias da conspiração com um viés original que irá surpreendê-lo. Abaixo seg

MORTE EM BOULOGNE

Morte em Boulogne é o segundo romance de Mauricio R B Campos, um livro de mistério e suspense que traz para o Brasil o gênero dark urban,  consagrado nos romances policiais escandinavos de Stieg Larsson e outros. A trama se passa no Brasil, Argentina e Uruguai, onde acompanhamos a busca de Lisandra Conde pela verdade quanto a fatos misteriosos que começam inofensivos e seguem em um ritmo frenético até que sua vida vira de cabeça para baixo. A história começa com um acidente de carro onde ela é encontrada inconsciente entre as ferragens. Dias depois ela recobra a consciência em um hospital. Confusa e sozinha, descobre que perdeu duas coisas: um dos rins e o noivo. Ian Gouveia, diretor do hospital em que estava internada, havia partido para uma convenção médica de quinze dias no Caribe. Ela não o conhecia há muito tempo, e o passado dele ainda era uma grande mancha fosca em sua memória, mas poderia ter se envolvido com um traficante de órgãos? Empenhada em descobrir a verdade,