Pular para o conteúdo principal

Jackpot de Départ



A obra máxima de Charles Garnier estava em frente de meus olhos. O arquiteto não economizou detalhes ao desenhar o cassino que seria sinônimo do gênero por toda a eternidade. Em cada afresco  do estilo Belle Époque olhos já lançaram juras de maldição e lábios soltaram beijos de gratidão. Naquele átrio a fortuna e a miséria andavam de mãos dadas, uma correndo atrás da outra.
Adentrei a sala de jogos onde o clássico e o moderno encontravam seu equilíbrio no requinte. Fui saudado por uma jovem linda e elegante, que polidamente me ofereceu um cartão de fidelidade. Fiquei alguns minutos perdido no azul daquele olhar enquanto sua voz suave me explicava cada vantagem do 777 - The Slot Privilège card. Olhos azuis. Como os de Josh, o garoto portava o azul do mar profundo, mesmo estando em um deserto. A garota sorriu, e o sorriso de Josh veio à sua mente, quanto tempo ficara perdido naquele sorriso de criança, um sorriso que era só amor para ele.
Não, não estava interessado em cartões de fidelidade. Era o último dia que pisaria em Monte Carlo, não precisaria de descontos. — Bem, senhor, por onde deseja começar, temos toda a variedade de jogos de mesa, como a clássica roleta europeia, o charmoso Trente & Quarente,  a roleta inglesa, bacará e sua variação Chemin de Fer, Punto Banco, 21 e dados. Basta escolher em qual o senhor deseja tentar a sorte. — Sentindo que não despertara meu interesse por nada ela tentou outra abordagem: — Também temos mais de mil máquinas caça-niqueis, o senhor aprecia essas máquinas?
Susan era capaz de passar horas em frente das máquinas, e cada vez que as fichas desciam pelo metal rodopiando e gritando cling-cling, ela ficava eufórica. — Você viu? Você viu? Ganhei! Ganhei! Olhe as moedinhas! — gritava excitada, saltitando e sorrindo. E no cruzeiro, em que ganharam mais de cem mil, em moedas de vinte e cinco centavos. As fichas caíam feito loucas, e era difícil segurá-las, os baldinhos se enchendo em questão de segundos, e ante a alegria de Susan, eu corria para buscar mais baldinhos que ficavam lotados e foram formando uma fileira de potes. Nossa fileira de potes de ouro! — ela não se cansava de repetir, esfuziante.
— Qual você prefere, Anna? — eu perguntei olhando para o crachá em seu peito.
— A sorte pode ser benfazeja em qualquer uma de nossas mesas de jogo, tanto quanto nas máquinas.
— Mas se você tivesse que dar uma opinião pessoal?
Ela balançou a cabeça:
— Eu diria que os cidadãos de Monte Carlo estão proibidos de jogar, na verdade eu só posso entrar aqui porque trabalho para Société des Bains de Mer, que administra o cassino.
— Hum... não fazia ideia. Caça-niqueis você disse?
— Sim, venha comigo, senhor?
— Anderson.
— Pois bem, senhor Anderson, venha por aqui — ela me disse, me escoltando pelo elegante salão, onde ao redor de mesas onde funcionários elegantes e bem educados atendiam os seletos apostadores do Monte Carlo Cassino. — O cassino conta com mais de mil máquinas caça-niqueis, na verdade, a maior coleção delas na Europa. Nós temos máquinas exclusivas na Europa, e até mesmo algumas exclusivas no mundo. Hoje mesmo temos a inauguração das novas máquinas “Guerra nas Estrelas”.
Logo chegamos até a sensação do dia, as novas máquinas Guerra nas Estrelas, as brancas dos Stormtroopers, as brilhantes do comando de clones e as pretas onde o temível Darth Vader encarava os apostadores. Ela me mostrou os corredores onde estavam aquela multidão de máquinas e então voltou à sua posição na porta. Eu não podia imaginar que o espaço dentro daquele prédio do século XIX pudesse comportar tantas máquinas.
Josh gostava tanto dos desenhos animados sobre o comando clone, passava horas vendo e revendo. Eu lhe dei o jogo de computador dos clones em seu aniversário de doze anos, ele vibrou muito, estava esperando fazia tempo. Logo depois houve uma exposição da série em Los Angeles, e eu o levei. Ele ficou maravilhado com a centena de itens que havia lá, tirou fotos de cada item, me explicando a ordem cronológica e importância daquele item para a série. Tiramos fotos com os personagens, em alguns cenários que foram especialmente remontados para a exposição, comemos cachorro quente em uma réplica da cantina do espaço-porto de Mos Eisley.
Lá estava uma pequena multidão em frente à grande sensação do dia. Um cartaz prometia:


Fui até o caixa, passei o cartão, peguei um balde cheio de fichas e retornei para a máquina de Guerra nas Estrelas. Voltando às máquinas, estavam todas ocupadas. Aguardei um tempo, então um rapaz vestindo uma camiseta verde, onde estava estampada uma frase chamativa, se virou, liberando a máquina. A frase me chamou a atenção: “Chekov não é um cara da Jornada nas Estrelas”. Puxei a alavanca e as figuras começaram a rodar à minha frente. Os personagens da série rodavam, rodavam, rodavam e, então, pararam, nenhum par, nenhuma figura igual à outra. Coloquei mais fichas e puxei a alavanca novamente, a máquina rodou mais alguns segundos então parou de uma vez, os três soldados imperiais olhando direto para minha cara. A máquina começou a piscar, então houve um clique e uma pequena porta se abriu no alto da máquina, um sabre de luz saiu de dentro da máquina, piscando, a famosa música de John Williams tocando, a Marcha Imperial a anunciar o prêmio. Em seguida as moedas começaram a tilintar rumo ao baldinho que logo apareceu, trazido pela funcionária do cassino.
— É seu dia de sorte, senhor Anderson, ganhou o grande prêmio de abertura! Parabéns!
A segurança do cassino apareceu, um oriental com óculos grossos, parou a máquina. Era muito dinheiro para ser retirado em fichas. O oriental retirou um bilhete da máquina e informou que meu prêmio estava disponível no caixa.
Compareci ao caixa no mesmo instante, peguei meu milhão de euros . Mulheres belíssimas me ofereceram lugares em uma mesa de pôquer, ao que recusei, dizendo que retornaria no dia seguinte.
Voltei milionário para o hotel, onde me deitei confortavelmente ao lado do dinheiro. Tomei os comprimidos e voltei a deitar. Como teríamos festejado, Susan, Josh e eu. A essa hora o quarto já estaria todo molhado de champanhe, o sonho de Susan realizado na máquina escolhida por Josh...
Comecei então a sentir uma tontura, a cabeça pesada, dificuldade para respirar, difícil pensar... Que pena eu não ter mais herdeiros, um milhão de euros! Meu jackpot de partida...   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - Sonhos Lúcidos

O livro Sonhos Lúcidos foi lançado no dia 19 de outubro de 2013, durante o Evento Livros em Pauta, na Universidade Estácio, campus Jabaquara. A antologia de contos fantásticos da Andross Editora contou com a participação de Chico Anes, autor de O Sonho de Eva lançado pela editora Novo Conceito, e As Duas Vidas e Meia de Demian Liber (independente),  Laura Elizia Haubert, autora de Calisto, Sohuen e Ode a Nossas Vidas Infames, pela Novo Século, Suzy M. Hekamiah, autora de Código dos Mares: Os Contos do Tempo, pela Editora Literata, e O Pianista, além de dezenas de outros autores.



A antologia tem basicamente o intuito de divulgação de novos autores. Nesse escopo, há 13 autores que estreiam nas páginas desta coletânea da Andross Editora: Alice Rodrigues, Ana F. Cruchello, Antonio Martins Júnior, Carlos Moffatt, Caroline Evans, Garibaldi S. Júnior, Gui Moretti, Jony X, Kleberson Arcanjo, Marcelo Fernandes, Ricardo R. Gitti, Vivi Trichês, Vivian Pitança.



Apesar da temática da antologia, pou…

Links