Pular para o conteúdo principal

MORTE EM BOULOGNE - CENA DELETADA


CENA DO RESTAURANTE - DELETADA


[CONTÉM SPOILERS - REVELAÇÕES SOBRE O ENREDO]

Eu escrevi o roteiro cinematográfico de Morte em Boulogne antes de escrever o romance. O romance ficou ligeiramente diferente do roteiro, com muito mais cenas e reviravoltas. Na versão original da história Philippe seria preso em São Carlos, no hotel, e Lisandra seguiria sozinha para o apartamento de Alessandro. Outra diferença é que originalmente ela saberia sobre o atentado terrorista ao Refugees Place no restaurante do Hotel, pela televisão.

Outra curiosidade é que a equipe policial que prenderia Philippe seria a mesma que participou do final de Incompatível.  Mas a história funcionou melhor do jeito que chegou à sua versão final.

[CONTÉM SPOILERS - REVELAÇÕES SOBRE O ENREDO]

CENA DO RESTAURANTE
CORTA PARA -
INT. RESTAURANTE DO HOTEL NACIONAL INN – DIA
PHILIPPE está pedindo um Uber para LISANDRA no celular. Ele se aproxima de Lis, que está atordoada com o atentado, de frente para ela pega as mãos dela nas suas e a fita nos olhos.
PHILIPPE
Lis, você vai fazer o seguinte: tem um Uber chegando aí. Ele vai te levar até a casa do meu sócio Alessandro. Chegando lá explique a situação, ele vai dar um jeito nisso. Fique lá, eu te encontro depois que sair daqui. Me dê as chaves do seu quarto.

LISANDRA
Mas… Você acha que…

PHILIPPE
Não sei de nada, Lis, mas sua irmã está armando para você, isso é certo. Não sabemos quanto tempo temos até a polícia chegar.

LISANDRA entrega o cartão que abre as portas do quarto para PHILIPPE e segue em direção à saída.
CORTA PARA -
EXT. DO HOTEL NACIONAL INN – DIA (CONTINUAÇÃO)
LISANDRA passa pelo pátio do Hotel e chega até a calçada em frente à Avenida Getúlio Vargas.
Olha de um lado para o outro, nervosa, depois fita o hotel novamente.
Um hatch vermelho encosta no meio-fio.

UBER
Você que pediu Uber? Felipe?

LISANDRA abre a porta traseira do carro e entra. O veículo vermelho sai suavemente rodando em direção à Rodovia Washignton Luiz.

O Hotel ao fundo permanece aguardando os acontecimentos.
Três viaturas da polícia encostam no estacionamento do Hotel, os giroflex ligados. Os policiais descem armados fazendo pose, como se fossem agentes do FBI de um filme americano. Se dirigem em direção da entrada do Hotel.

CORTA PARA -
INT. RECEPÇÃO DO HOTEL NACIONAL INN – DIA (CONTINUAÇÃO)
PHILIPPE está fazendo o check-out do Hotel, com as duas malas a seu lado no chão. A polícia entra de chofre. O policial civil no comando era um barbudo com um distintivo pendurado no peito e arma na cintura.

POLICIAL
POLÍCIA! Mãos onde eu possa ver!

O policial pega a carteirinha da OAB de PHILIPPE que estava sobre o balcão à frente e então se vira para o advogado.

POLICIAL
Estamos procurando Lisandra Conde, temos informações de que ela estava hospedada aqui com o Senhor.

PHILIPPE
Esse procedimento é uma arbitrariedade

POLÍCIA
Mãos onde eu possa ver!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - Sonhos Lúcidos

O livro Sonhos Lúcidos foi lançado no dia 19 de outubro de 2013, durante o Evento Livros em Pauta, na Universidade Estácio, campus Jabaquara. A antologia de contos fantásticos da Andross Editora contou com a participação de Chico Anes, autor de O Sonho de Eva lançado pela editora Novo Conceito, e As Duas Vidas e Meia de Demian Liber (independente),  Laura Elizia Haubert, autora de Calisto, Sohuen e Ode a Nossas Vidas Infames, pela Novo Século, Suzy M. Hekamiah, autora de Código dos Mares: Os Contos do Tempo, pela Editora Literata, e O Pianista, além de dezenas de outros autores.



A antologia tem basicamente o intuito de divulgação de novos autores. Nesse escopo, há 13 autores que estreiam nas páginas desta coletânea da Andross Editora: Alice Rodrigues, Ana F. Cruchello, Antonio Martins Júnior, Carlos Moffatt, Caroline Evans, Garibaldi S. Júnior, Gui Moretti, Jony X, Kleberson Arcanjo, Marcelo Fernandes, Ricardo R. Gitti, Vivi Trichês, Vivian Pitança.



Apesar da temática da antologia, pou…

Links

O país das calças beges

Em 2009 trabalhei na tradução de diversos textos para a Editora Lusíadas, quando do lançamento de sua primeira antologia em Esperanto. Trabalhei com o texto do brasileiro Ferréz, expoente do movimento litera-rua O País das Calças Beges, que em na língua internacional neutra ficou La Lando de la Grizbrunaj Pantalonoj.

"La blua ĉielo estas linda,Sed en la ikso (1) deprimis vin"Detentos do Rap (2)


La suno estas pah! kaj tĉun!, ŝajnas, ke miaj retinoj brulis.
Antaŭ ne longe, ke mi ne faris tiun agon "bastono en la katon". Mi donis la sakon kun la ĉemizo, dentbroso, paro da pantoflo kaj la maljunan ŝorton al partnero, kiun ĉiam havis malpli ol tiun. En la strato, estis nur envio, sed en la prizono oni lernas unue la humilecon.
Oni kunprofitas por la dormo, por uzi la banĉambro, por manĝi, por scii la bona horo, kiun havis la pah!
Daurigos che La Nubo